terça-feira, 22 de maio de 2018

Entenda definitivamente as vantagens de comprar um imóvel usado


Preço atrativo

Tamanho maior

Localização melhor

Mudança mais rápida

Imóvel já construído

Alto potencial de valorização

Custos já conhecidos

Como escolher um imóvel usado?

Avalie o imóvel pessoalmente

Use sites de busca de imóveis

Pense na localização

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Personalização de apartamentos: afinal, quais as vantagens?


Por que investir na personalização de apartamentos?

Torna o ambiente mais aconchegante

Faz você se sentir em casa

Cria um espaço mais prático

Como transformar o ambiente com a personalização?

Tapetes

Papéis e tecidos de parede

Quadros e pôsteres

Plantas

Iluminação

segunda-feira, 7 de maio de 2018

O que é o ITBI e por que você deve pagá-lo?

Sempre que há compra ou venda de um imóvel, uma série de burocracias e taxas estão envolvidas. Para quem não conhece essas transações, pode parecer muito complicado.

Você sabe o que é ITBI? Ele é um imposto obrigatório e, por isso, deve ser contabilizado se você estiver planejando comprar um imóvel. Por isso, elaboramos este conteúdo que vai tirar todas as suas dúvidas sobre ele. Conheça agora!

O que é o ITBI?

O Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) é uma taxa obrigatória que precisa ser paga quando há compra ou venda de um bem dessa natureza. Ele é um imposto previsto pela Constituição Federal. Por isso, apenas após o seu pagamento a documentação será liberada e a venda ficará oficializada.
Esse tributo é regulado pelos municípios, fazendo com que sua taxa varie entre as cidades. Para pagá-lo, o município exige alguns documentos de identificação e comprovação da compra. Depois disso, uma guia de recolhimento é gerada, e a taxa poderá ser quitada.

Por que é importante pagar o ITBI?

O ITBI é um imposto recolhido com intuito de beneficiar o cidadão, uma vez que é revertido para garantir serviços como coleta de lixo, pavimentação de vias públicas e abastecimento de energia elétrica e água.
Além isso, o pagamento desse tributo é fundamental para garantir a emissão do registro e da escritura do bem. Sem o pagamento, o imóvel não será reconhecido pelas autoridades governamentais.
Como dissemos, o imposto é cobrado sempre que há transferência de imóveis. Entretanto, acrescentamos ainda que o ITBI também deve ser pago no caso de compra de apartamento na planta. Sendo assim, o imposto é calculado de acordo com valor do imóvel quando estiver pronto.

Quando pagar o ITBI?

Esse imposto precisa ser quitado antes da transmissão do bem ao próximo proprietário. Assim, ele só terá direito sobre o imóvel após o pagamento.
Entretanto, alguns municípios estabelecem que o recolhimento deve ser feito antes da emissão da escritura, enquanto outros instituem que o ITBI pode ser pago após o registro. Por isso, se informe com a prefeitura da sua cidade para entender melhor e evitar problemas.
Da mesma forma, os prazos e o parcelamento do pagamento dependem do município. Em geral, o vencimento do ITBI acontece 30 dias após a finalização da compra. Para isso, as prefeituras possuem formulários próprios que precisam ser preenchidos.

Qual o valor da alíquota?

Para entender o que é ITBI é preciso saber também como ele é calculado. A taxa é uma percentagem em relação ao valor de mercado do imóvel, podendo variar de cidade para cidade. É comum que essa percentagem varie de 2% a 4% do preço do bem.
Fora isso, é possível também conferir o IPTU para verificar o valor considerado do imóvel. Isso porque o município também utiliza esse custo para emitir o imposto.
Dessa forma, o parâmetro municipal para calcular a taxa é baseado em normas oficiais. Com isso, comissionamentos de corretagem não poderão ser acrescentados ao valor do ITBI. Lembre-se de conferir o valor para que a cobrança não seja feita de maneira irregular.
Fora isso, o cálculo é bem simples de ser feito. Em São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre, por exemplo, a taxa é 3% sobre o custo do imóvel. Já no Rio de Janeiro e Manaus, o ITBI é de 2%. Sendo assim, considerando um bem de R$500.000,00, você pagaria R$15.000,00 em São Paulo, ou R$10.000,00 no Rio de Janeiro.
Além disso, lembre-se de verificar na Secretaria da Fazenda e nas Finanças do Município se existem taxas adicionais que precisam ser pagas. Em alguns municípios, o ITBI pode variar conforme o valor do bem ou o financiamento dele. É o caso de Salvador, por exemplo, onde o imposto para imóveis populares é de 1%, enquanto para os demais a taxa é de 3%.

Quem precisa pagar esse imposto?

Pesquisar a legislação do município é essencial para entender como e quem deve para o ITBI. A lei sempre prevê quem é o responsável pelo recolhimento dessa taxa. Geralmente o comprador deve custear, mas isso não impede de as partes negociarem e chegarem num acordo diferente.
Lembre-se de deixar claro no contrato quem pagará o imposto. Assim, podem ser evitados problemas futuros e o responsável poderá se planejar financeiramente para o pagamento.
O comprador precisa se planejar ao decidir adquirir um imóvel pois, além do ITBI, outras taxas podem incidir. São cobradas, por exemplo, taxas cartoriais de registro e escritura do imóvel, além de comissão para corretagem. Assim, verifique os pagamentos que precisam ser feitos, e reserve um orçamento para isso.
Informe-se também sobre as políticas de parcelamentos, prazos, juros e descontos do município. Algumas cidades não permitem que o ITBI seja parcelado. Outras calculam multas em casos de atrasos no pagamento.

Quando há isenção ou desconto no pagamento?

A Constituição Federal prevê o pagamento do ITBI quando há transferência de imóveis entre pessoas vivas. Dessa maneira, caso aconteça o falecimento de um proprietário, e seu apartamento ou casa seja transferido por herança, o imposto não é cobrado.
Outro caso em que o ITBI não incide é quando uma pessoa jurídica compra um imóvel que será incorporado ao seu patrimônio. Além disso, se uma empresa se fundir à outra, os bens são absorvidos mutuamente e, assim, não é preciso recolher o imposto. Entretanto, caso a empresa compre o bem no intuito de compra, venda ou locação, o ITBI deverá ser pago.
Imóveis residenciais de até R$16.000,00 são isentos, bem como bens pertencentes a diplomáticos. Sobre os imóveis de programas do Sistema Financeiro de Habitação, como falamos, podem ser isentos ou receber abatimentos — dependendo da legislação do município.
Entender melhor sobre o que é o ITBI, quem deve pagá-lo, quando e como quitar esse imposto contribuirá muito para que você consiga adquirir seus bens com mais segurança e sem infringir as normas do estado em que o imóvel se encontra.

Os melhores 4 quartos da orla de Itaparica

Separamos os melhores apartamentos de 4 quartos da orla do mar de Itaparica para você e sua família neste mês de maio, com preços inacreditáveis a partir de R$ 765 mil com financiamento pelos bancos parceiros Banestes, Itaú, Bradesco, Santander, Caixa Econômica Federal, Poupex, Banco do Brasil , confira somos destaque no seguimento de imóveis prontos.
Veja a lista de prédios
Ed. Francisco Viana
Ed. Enseada das Garças
Ed. Solarium
Ed. Leda Passos
Ed. Ilhas Gregas
Ed. Fasano
Ed. Ilha Bela
Ed. Armando Negreiros
Ed. Burlemax
Ed. Toscaneli
Ed. Mar Dourado
Ed. Mar das Antilhas
Ed. Mar Mediterraneo
Ed. Acropolis,
Ed. Nacif Alcure
Ed. Anett Vitale
Ed. Piazza San Marco
Ed. Palazzo Del Mare
Ed. Tiffanys
Ed. Ocean Blue
Ed. Royal Tower
Ed. Moacir Loureiro
Ed. Victor Coser
Ed. Gardênia
Consulte - nos Tel: 27- 3219-0568 - 3075-0568
acesse o nosso site www.andersonmartins.com
www.andersonmartins.com.br

























Consulte - nos Tel: 27- 3219-0568 - 30750568  acesse o nosso site www.andersonmartins.com
www.andersonmartins.com.br

terça-feira, 1 de maio de 2018

Não compre antes de passar na Anderson Martins Imóveis

Prepare-se a Anderson Martins selecionou os melhores imoveis de 2, 3 e quartos na Praia da Costa, Itapuã, Itaparica e toda Vila Velha  com condições especiais de pagamento direto, ou financiamento bancário.
Consulte - nos tel: 27 - 3219-0568 - 3062-4568
Acesse o nosso site www.andersonmartins.com.br


sábado, 28 de abril de 2018

Comprar imóvel em 2018 é um bom negócio?

Quer saber se é uma boa ideia comprar imóvel este ano? Confira nesse artigo alguns pontos importantes antes de tomar a decisão.


Tirar do papel o sonho da casa própria é uma tarefa complexa e que, geralmente, pode levar anos até que a decisão seja tomada e a negociação feita. Acontece que, muitos fatores interferem diretamente nos negócios quando a economia não está boa ou o mercado está em crise.
Nos últimos anos, vivemos períodos mais críticos no setor imobiliário, mas o cenário parece estar em constante melhora e já se pode ver a luz no fim do túnel.
A tendência é que o mercado se recupere ainda mais e alguns fatores já sofrem melhora, como, por exemplo, a queda da taxa Selic, que impacta diretamente nos financiamentos realizados em território nacional. Em dezembro de 2017 a taxa chegou a 7%, queda bastante considerável se comparado ao mesmo período de 2015, quando atingiu 14,25%.
Outro fator que influencia o negócio são os juros da poupança e a retomada da utilização de recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), garantindo assim mais verba da Caixa Econômica Federal a ser destinada para o empréstimo de móveis, chamado de Pró-Cotista.
O mercado imobiliário tem hoje redução do estoque de imóveis novos prontos, indicando que as ofertas estão boas para esse tipo de unidade. Há também muitos lançamentos, o que aumenta a procura por apartamentos para compra direto na planta, onde o proprietário desembolsa cerca de 30% do valor do imóvel apenas como entrada e pode financiar o restante em muitos anos.
Em 2017, o mercado teve alta de aproximadamente 5% comparado a 2016 no número de lançamentos. Foram lançados cerca de 73 mil unidades em todo o Brasil.

O valor do metro quadrado dos imóveis sofreu baixa nos últimos meses e, ainda que não seja tão positivo para os investidores, vale considerar o momento para apostar em imóveis e aproveitar a “alta” quando ela chegar. Com isso, você consegue valorizar o imóvel a longo prazo, aproveitando o melhor momento do mercado e levantando capital com a renda de alugueis ou revenda.
Já para quem procura por um imóvel para morar, esse pode ser o momento ideal para fechar negócio, afinal, imóvel parado só gera despesas e os proprietários estão procurando “desovar” essas unidades com preços menores para vender mais rápido. Reforce as pesquisas, busque também por unidades usadas, já prontas ou até mesmo revendas.
Procure junto ao seu banco por opções de financiamento com taxas melhores ou com benefícios em relação ao período para pagamento. Levantar todas as opções disponíveis é uma forma de economizar dinheiro antes de fechar negócio.
Se você está na fase de escolher o seu imóvel para comprar, não deixe de conferir as opções na Anderson Martins Imóveis



quinta-feira, 26 de abril de 2018

Confira o checklist de vistoria de apartamento novo!

Uma das melhores sensações surgem após a compra de um imóvel, não é mesmo? Assim que as chaves chegam, a vontade é de fazer a mudança o mais rápido possível. No entanto, não perca o foco! É imprescindível elaborar um checklist de vistoria de apartamento novo para garantir que o imóvel adquirido esteja em condições de uso para evitar problemas futuros.

Apesar de não ser uma prática obrigatória, esse processo tem inúmeros benefícios. Durante a avaliação, o morador poderá observar se não existem irregularidades tanto nas estruturas como nos revestimentos para que a empresa possa realizar os reparos fundamentais e entregar o apartamento finalizado de maneira satisfatória.
Devido à ausência de uma cultura fortemente voltada ao desenvolvimento de vistorias em apartamentos novos, as pessoas tendem a perceber possíveis imperfeições somente após a mudança. Nesse momento, obter a assistência necessária é mais difícil.
Para que isso não faça parte da sua realidade, abordamos, ao longo deste post, a importância da vistoria e os elementos que devem ser avaliados. Boa leitura!

Entenda a importância da vistoria

A vistoria desempenha a função de certificar ao comprador que todos os elementos presentes no memorial descritivo do imóvel estão presentes, conforme foi garantido pela imobiliária durante a aquisição do apartamento.
Essa é a oportunidade de indicar os problemas e apresentar reivindicações, por menores que pareçam ser, ao construtor ou corretor imobiliário. Dessa forma, os ajustes poderão ser realizados em um período determinado informado pela empresa.
Devemos considerar também que, caso você não apresente alguma contestação, sem dúvida poderá fazer reclamações posteriores. Até porque, algumas falhas poderão surgir com o tempo. No entanto, uma vistoria profunda é capaz de eliminar muitos transtornos a longo prazo.

Organize-se antes da vistoria

Fazer uma vistoria é muito mais do que apenas observar. Testar se todas as instalações estão funcionando corretamente e conferir se a construção não possui defeitos é relevante. Para tornar esse processo mais rigoroso, alguns documentos e utensílios são fundamentais.
O memorial descritivo do apartamento é o item mais importante em uma vistoria. A partir desse documento você terá como verificar se as informações do relatório condizem com as instalações existentes no empreendimento.
Utilizar a planta com os pontos elétricos no decorrer da perícia é adequado, se ela estiver disponível. Além disso, caso tenha sugerido modificações no projeto original, é interessante que o contrato de personalização da unidade se faça presente na ocasião.
Para testar sistemas hidráulicos, elétricos, averiguar nivelamento e outros pontos da construção, alguns elementos básicos são muito úteis nessa hora, como por exemplo:
  • câmera fotográfica ou celular com câmera;
  • trena;
  • carregador de celular bivolt;
  • lâmpada;
  • soquete;
  • balde;
  • régua de nível;
  • cabo de vassoura.

Elabore um checklist de vistoria

Apesar de parecer uma tarefa simples, essa etapa exige um olhar clínico. Dessa forma, desenvolver um checklist torna o procedimento mais organizado, compreendendo exatamente tudo o que será verificado.
Ao longo do processo, fotografe e teste tudo o que for possível.

Pintura

Se a tinta utilizada na parede for diferente da usada para pintar a guarnição e a porta, veja se não há respingos de tintas em ambos os locais. Verifique os espelhos de tomadas e interruptores também, para que não haja manchas de tinta da parede nessas peças.

Nivelamento do piso

Observe o nivelamento do contrapiso usando a régua de nível. Dependendo do piso que escolher para o apartamento, um desnível de 3 centímetros pode dificultar o assentamento.
Quanto às paredes, é possível identificar barrigas a olho nu. Já nos cantos, existem réguas de nível para medir ângulos de 90°. Porém, se não tiver uma dessas, sem problemas. Um esquadro cumpre esse papel muito bem.

Revestimento cerâmico

É importante destacar que pisos e azulejos podem vir de lotes diferentes, o que pode comprometer a sua coloração. Por esse motivo, além de verificar se existem trincas ou manchas, sempre observe a tonalidade entre uma peça e outra.
Com o cabo da vassoura, bata levemente nos pisos para confirmar se não estão ocos. Caso estejam, é necessário solicitar uma troca, pois em curto prazo eles podem rachar conforme o uso. E não se esqueça de averiguar se o rejunte está bem-feito e preenchido.

Sistema elétrico

Testar o sistema elétrico não se resume em avaliar tomadas e interruptores. Claro, examinar a quantidade e disposição das tomadas, pontos de TV e internet é muito importante. Porém, verificar a campainha e o interfone também é essencial.
Usando o carregador de celular bivolt, teste todas as tomadas de 110 e 220 volts e confirme suas identificações. Lembrando que, caso a energia do apartamento esteja desligada, informe essa questão no Termo de Vistoria. Afinal, caso haja algo incoerente com esse item, não houve a possibilidade de avaliar anteriormente.
Nos pontos de iluminação, utilize o soquete e uma lâmpada para comprovar seu funcionamento. No caso de haver interruptores paralelos, teste-os acendendo a luz em um e apagando no outro. Não se esqueça de ver se os disjuntores têm identificação.

Sistema hidráulico

Deixe a água das torneiras e dos chuveiros caírem por um tempo para avaliar se não há vazamentos indevido. Teste também as descargas e se as louças e metais correspondem com a marca mencionada nos contratos.
Um dos grandes problemas em apartamentos é a inclinação dos pisos para os ralos em banheiros, sacadas e cozinhas. Por isso, utilizando um balde com água, observe o sentido que ela vai jogando o líquido no chão.

Outras verificações importantes

Utilize a trena para medir todo o apartamento, as suas vagas na garagem e compare com as informações do memorial descritivo. Confirme também, se os pontos de gás estão cobertos e, para finalizar, confira se as áreas comuns estão de acordo com a documentação.
É possível fazer a vistoria sozinho. Entretanto, você pode sempre contar com o auxílio da imobiliária para acompanhar e contribuir com os testes. De qualquer forma, para assegurar o sucesso do seu checklist de vistoria de apartamento novo, separe um tempo para fazer as verificações pertinentes.
Gostou do nosso artigo? Então, entre em contato conosco e conheça as melhores opções em imóveis para você e sua família!

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Quais cuidados precisos ter para comprar um imóvel?

Quais cuidados precisos ter para comprar um imóvel?


O processo de compra de um imóvel é sempre repleto de dúvidas. Muito disso se dá pela complexidade dos passos envolvidos na burocracia, outra parte por não ser algo tão comum na vida do brasileiro, que compra em média dois imóveis em sua vida.
O primeiro cuidado é o que vai dar segurança a todos os outros pontos a observar. Ainda que este “primeiro ato” seja garantidor dos demais, é sempre bom estar ciente dos pontos sensíveis da compra de imóvel.

Contate um corretor de imóveis

É comum, apesar dos riscos, as pessoas tentarem a compra do imóvel sem seu intermediador legal, o corretor de imóveis. Muitos fazem para “economizar”, visto que existe a comissão pelo serviço prestado. É um tanto cultural e altamente arriscado.
O corretor possui todo embasamento e conhecimento sobre o processo da compra e venda, qual a documentação necessária, tramites cartoriais, certidões, matrículas. Isto tanto do imóvel, como do vendedor e cônjuge.
Imagine que você “consiga” comprar o imóvel direto com o proprietário. Está lá morando há alguns anos, tudo quitado com o vendedor, aparentemente tudo certo. Mas aí recebe notificação de que a compra foi invalidada pois o imóvel estava penhorado, ou fazia parte de inventário ou qualquer outra situação legal envolvendo o vendedor ou cônjuge que você não se atentou por não saber.
A compra “mais barata” acaba de se tornar não só muito cara, como também um verdadeiro pesadelo para você e sua família.
Falo em um tom de “filme de terror”, pois é realmente este o cenário que pode se formar em sua vida e é um risco que não se pode dar o “luxo” de correr.
Sempre contrate um corretor de imóveis!

O preço do imóvel

Parece um tanto bobo ter que prestar atenção no valor do imóvel. Porém, ele precisa ser avaliado preferencialmente por um perito avaliador de imóveis.
Só ele é capaz de definir o valor justo do imóvel tendo em vista, por exemplo, sua condição, localização e média da região.
O proprietário, quase sempre, tende a supervalorizar seu imóvel. Tanto pela necessidade financeiro, quanto pela estima emocional pelo imóvel que habitava.
Aí voltamos para a questão do corretor de imóveis. Quando o imóvel está sob a intermediação dele, já passou por esta análise de mercado para aferir o justo preço. Quando o faz diretamente com o proprietário, além dos riscos “ocultos”, você ainda pode estar pagando muito pelo imóvel, ainda que ele pareça estar menos – pois sua estrutura pode estar comprometida, por exemplo, e este tipo de detalhe é avaliado pelo profissional.

Documentação do imóvel

A escritura, matrículas e todos documentos relativos ao imóvel precisam ser checados com atenção. Isto deve ser solicitado com o proprietário, prefeitura e cartório; para que se possa assegurar a possibilidade de o imóvel ser vendido de fato – sem transtornos futuros.
Certidões negativas precisam ser solicitadas para verificar pendências, como de IPTU, água e energia elétrica, por exemplo.

Documentação do proprietário e cônjuge

Tal como acontece com o imóvel, o proprietário atual e o/a cônjuge também precisam passar pela malha fina da segurança. Eles não podem possuir pendências judiciais que possa incluir seu imóvel, por exemplo.
Um erro nesta análise pode comprometer a venda depois de, aparentemente, concretizada. Uma vez que ele pode ser retomado e a compra anulada. Porém o dinheiro que gastou... não há garantias de que retorne ao seu bolso.

Por isto: sempre contrate um corretor de imóveis. Pode parecer uma quantia elevada, quando vista em seu valor bruto. Porém, ele evita que você tenha prejuízos muito superiores. É sempre prudente investir nesta garantia e segurança, uma vez que, na ausência de intermediação profissional, você pode perder o imóvel, o dinheiro e ainda ter que comprar um novo imóvel – se houver como.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Veja o checklist para quem quer comprar um imóvel

Levando em conta que o financiamento de um imóvel pode levar 15, muitas vezes 30 anos, é preciso considerar aspectos a longo prazo na hora de escolher o lugar onde você passará boa parte da vida.
Apesar da ansiedade que ter um novo imóvel pode gerar, pense que as possibilidades de empreendimentos pela cidade na maioria das vezes são muitas, então, se houver algum ponto com o qual você não esteja satisfeito durante o processo de compra, dê um peso e uma atenção maiores para ele, que pode ser decisivo.
                             



A dica mais importante é: não se precipite e entenda que essa decisão deve ser tomada com calma e analisada em todos os aspectos. Se você ficar perdido quanto aos principais pontos a se considerar, siga o nosso checklist abaixo para ver se o imóvel corresponde bem a todos os tópicos e, assim, se vale a pena investir.

1. Localização

Dê algumas voltas pelo bairro onde o imóvel que você tanto quer está localizado. Veja se ele tem boas opções de mercado, farmácia, padaria, academia, etc… coisas que poupem o uso do carro para necessidades básicas do dia a dia. Depois, pesquise os meios de locomoção e a proximidade com o trabalho dos membros da família. Quanto tempo você vai demorar para ir e vir dos seus locais de costume? A região possui muito trânsito? Tem metrô? Ponto de ônibus próximo? Todas estas perguntas são essenciais na hora de analisar a localização de um imóvel.
                               

2. Estado de conservação

Caso o imóvel que você busca seja novo, o estado de conservação dele tende a ser bem melhor, além de haver a possibilidade de acionar a garantia para qualquer defeito. Mas se o lar dos seus sonhos estiver em um imóvel usado, é importante averiguar cada cantinho. Abra todas as torneiras e chuveiros, ligue e desligue os disjuntores, confira bem todas as paredes para tentar encontrar rachaduras e, se possível, obtenha um relatório do edifício com um arquiteto ou engenheiro. Assim você se sentirá bem mais seguro com a compra.

3. Tamanho a longo prazo

Se você é recém casado ou solteiro, pode até estar considerando comprar um estúdio de 30 ou 40 metros quadrados agora. Mas, como falamos, o financiamento de um imóvel pode durar vários anos. Assim o ideal é que você consiga vislumbrar uma parte do seu futuro na hora da compra do apartamento ou da casa. Pretende se casar ou ter filhos pelos próximos 10 anos? Então aposte em um espaço um pouco maior, de 60 metros quadrados por exemplo, que contenha pelo menos um quarto a mais.
                                  

4. Posição do apartamento

Para quem mora em cidades muito quentes, esse tópico do checklist é muito importante. Isso porque se o apartamento recebe o sol da tarde, as chances de o calor ficar insuportável por um período muito maior do dia são bem grandes. Em geral, os imóveis que recebem o sol da manhã são mais valorizados, então se você tem a possibilidade de adquirir um que se encaixe nessa opção, priorize-o.

5. Segurança

Não só do bairro, mas a segurança do condomínio deve ser bem observada. Ao visitar o imóvel, veja como a portaria te recebe e com qual facilidade você consegue acesso à área de moradores. Converse com os vizinhos em potencial e pergunte sobre a violência do bairro e se já houve alguma dentro do próprio condomínio.
                                 

6. Área de lazer

Principalmente se você tem ou pretende ter filhos, a área de lazer do condomínio é importante. Como é muito mais perigoso que as crianças brinquem na rua hoje em dia, é interessante que elas tenham áreas para se divertirem longe dos computadores em casa e também para conviverem com outras crianças. Além disso, pense nas ocasiões em que você pode receber os amigos, como feriados ou aniversários. Nestes casos, a churrasqueira e o salão de festas se tornam muito úteis.

7. Valor das parcelas

Agora que você já analisou os fatores físicos do imóvel, está na hora de considerar os aspectos financeiros. Quando finalmente eleger o seu futuro lar, vá aos principais bancos e faça simulações das parcelas. É importante você saber que nem sempre a Caixa Econômica é a opção mais viável, apesar dos juros muitas vezes menores. Se você é correntista de um banco há muito tempo e possui uma boa linha de crédito, pode ser que o seu gerente consiga condições especiais de financiamento.

8. Condomínio

Além de considerar se as parcelas do imóvel caberão no seu orçamento a longo prazo, é imprescindível levar em conta o valor do condomínio, que quanto mais antigo mais caro será. Some a parcela do financiamento ao valor mensal do condomínio e veja se o resultado não comprometerá sua qualidade de vida.
                                
Não perca o festial de ofertas na imobiliária Anderson Martins acesse o site www.andersonmartins.com