terça-feira, 22 de agosto de 2017

Saiba como evitar problemas com financiamento de imóveis

Saiba como evitar problemas com financiamento de imóveis


Quais são as cinco cidades com o metro quadrado mais caro do Brasil

Quais são as cinco cidades com o metro quadrado mais caro do Brasil


Quem pretende comprar um imóvel e, principalmente, quem trabalha no setor precisa estar atento às variações do mercado. Saber o valor médio do metro quadrado das regiões, por exemplo, permite identificar se o proprietário está ou não cobrando um preço dentro da realidade por um imóvel.
Nos últimos anos, sabemos que, de modo geral, houve uma desvalorização dos imóveis residenciais, sobretudo por conta da crise econômica que o país atravessou (e ainda atravessa).
Embora a expectativa seja de crescimento para o segundo semestre, o Índice FipeZap registrou recuo de 0,15% no preço de venda de imóveis residenciais em julho de 2017. No acumulado do ano, a queda é de 0,38%, enquanto a inflação no período subiu 1,34%. 
Confira, na sequência, quais são as cinco cidades com o metro quadrado mais caro do Brasil:
Rio de Janeiro
Há um bom tempo, o Rio de Janeiro no topo da lista das cidades com o metro quadrado mais caro do país. Enquanto a média nacional do metro quadrado está em R$ 7.654, a média da capital do Rio de Janeiro é de R$ 10.028.
É importante reforçar que essa é a média da cidade inteira. Nesse sentido, claro, é possível encontrar uma grande discrepância nos valores de imóveis de acordo com a região. No Leblon, bairro mais caro do Rio de Janeiro, o metro quadrado está em R$ 21.012. Por sua vez, a região de Cavalcanti, a mais barata de todas, a média do metro quadrado é de R$ 2.266.
São Paulo
Diferente de muitas cidades, São Paulo apresentou um avanço tímido de 0,65% no preço de venda de imóveis residenciais no acumulado do ano. O valor médio do metro quadrado na capital é R$ 8.680.
Avaliando os valores por bairros, é possível notar, mais uma vez, uma grande diferença também. Na Vila Nova Conceição, região nobre da cidade, o valor médio do metro quadrado é de R$ 16.480. Já na Cidade Tiradentes, o metro quadrado está em R$ 2.711.
Distrito Federal
Por ser sede do governo federal, Brasília tem um custo de vida bem elevado, o que se estende para o mercado imobiliário. A capital do Brasil conta com o terceiro metro quadrado mais caro do país: R$ 8.345. Vale destacar que esse valor está acima da média nacional, que é de R$ 7.654.
Niterói
A apenas 16 quilômetros do Rio de Janeiro, Niterói também possui um mercado imobiliário bem valorizado. Embora esteja abaixo da média nacional, a cidade tem o quarto metro quadrado mais caro do país: R$ 7.295.
Florianópolis
Fechando a lista das cinco cidades com metro quadrado mais caro do Brasil, aparece Florianópolis. Assim como São Paulo, a capital de Santa Catarina apresentou um crescimento modesto de 0,51% no preço de venda de imóveis residenciais no acumulado do ano. Atualmente, a média do metro quadrado em Florianópolis é de R$6.685.
Enquanto Jurerê Internacional é a região mais cara da cidade, com o metro quadrado avaliado em R$ 9.295, o bairro Rio Vermelho conta com o metro quadrado de R$ 2.207.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Caixa vai liberar mais recursos para construção e para Estados

Caixa vai liberar mais recursos para construção e para Estados

Presidente do banco informou que será oferecida uma linha de R$ 1,5 

bilhão para loteamentos e mais R$ 2,9 bilhões estão sendo negociados com 

governos estaduais e municipais

BRASÍLIA - Em meio ao recrudescimento da crise política, com o presidente da República sendo denunciado pela Procuradoria-Geral por corrupção, a Caixa anunciará a liberação de novos recursos para tentar estimular a economia. O banco deve lançar nos próximos dias uma nova linha de R$ 1,5 bilhão para financiamento de loteamentos. Além disso, também vai liberar empréstimos para Estados e municípios que ainda têm capacidade de endividamento.

De acordo com o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, esses financiamentos podem contribuir para que a retomada da economia não seja interrompida. “O Brasil precisa ter um pouco de tranquilidade e não dá pra interromper este processo”, afirmou. Segundo Occhi, no caso dos loteamentos, os recursos serão do próprio banco, e não do FGTS. Segundo ele, a Caixa já mapeou mais de 500 empresas que poderiam tomar o crédito.
A liberação de recursos viria em um momento de fortes incertezas para a economia. Com a crise política, medidas consideradas essenciais para a retomada da confiança e, consequentemente, do nível de atividade, como a aprovação das reformas trabalhista e previdenciária, passaram a correr mais risco. Os analistas já vêm reduzindo suas projeções de crescimento do PIB tanto deste ano quanto de 2018.
Para os Estados, segundo Occhi, os recursos poderão ser usados para bancar obras de infraestrutura e também reforçar o caixa. Na lista dos contemplados estão o Piauí (R$ 700 milhões), Goiás (R$ 600 milhões), Alagoas (R$ 500 milhões) e Paraná (R$ 100 milhões). A Prefeitura do Rio de Janeiro está negociando um empréstimo de cerca de R$ 1 bilhão.
Em situação financeira delicada, os Estados têm pressionado há tempos o governo para liberação de recursos. E um agrado aos governadores, no momento em que batalhas pesadas precisarão ser travadas no Congresso, pode ser uma forma de angariar mais apoio político.
Lotes. Segundo o presidente do Secovi-SP (Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo), Flavio Amary, a linha para financiar os loteamentos está sendo estudada pelo banco com o setor há três meses. “Financiar o lote urbanizado é fundamental para diminuir o déficit habitacional no País, assim como programas de habitação popular, como o Minha Casa Minha Vida”, afirmou.
José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), afirmou que o setor carece de uma linha de financiamento para viabilizar investimentos de infraestrutura nos lotes, como terraplenagem, esgoto, iluminação e água. De acordo com Martins, esse tipo de crédito poderia aumentar o número de investidores nesse negócio, o que reduziria o preço do valor do terreno, responsável em média por 50% do custo da venda do imóvel.
“Não é qualquer um que tem fôlego para tocar um loteamento, que precisa muito de capital inicial e demora de três a quatro anos apenas para aprovar as licenças necessárias”, afirmou. “Se a linha for desenvolvida para atender a essa necessidade, rapidamente se transformará em obras e gerará novas vagas.”
Juros. A Caixa informou que deve colocar em prática taxas de juros personalizadas para o crédito imobiliário, de acordo com o risco do cliente e da carteira. A ideia é cobrar juros com base no perfil de risco de cada cliente, que pode variar de acordo com o montante do empréstimo, tamanho da entrada e prazo de pagamento.

sábado, 29 de julho de 2017

7 Simples e Eficazes Dicas para Reformar a sua Casa, Passo a Passo!

Todo mundo quando vai reformar pensa por onde começar.
As pessoas precisam de dicas simples, rápidas e eficientes para que ajude a tomar decisões e seguir em frente.
Por isso,  juntamos a experiência e conhecimento de obras para sintetizar as 7 dicas mais relevantes para reformar a sua casa ou apartamento.

1. Inspire-se em fotos de ambientes construídos
Quando vamos reformar nossa casa queremos ideias e fotos de ambientes decorados para inspirar na nossa obra!
Com você também não vai ser muito diferente, afinal, pra que reinventar a roda? Além disso os arquitetos e decoradores são profissionais e uma visão especial em como deixar ambientes bonitos, aconchegantes e que surpreendem as pessoas.
Hoje, com as redes sociais e o compartilhamento de fotos ficou mais fácil ainda ver ótimas salas, cozinhas e quartos que os profissionais compartilham de graça! Sugiro pesquisar no pinterest e instagram. Juntos eles tem um acervo de fotos que vão fazer a diferença na escolha dos materiais de acabamento dos cômodos. Inclusive nos móveis!

 2. Visite um Home Center e pesquise preços de materiais de acabamentos

Mesmo que você já tenha uma ideia de como quer deixar sua casa, aproveite um dia para visitar um Home Center (aquelas lojas que tem tudo de construção) para ver os materiais que estão em alta no mercado e conferir uns preços. Atente-se principalmente para os revestimentos (cerâmicas, azulejos, porcelanatos, laminados de madeira), louças e metais, tintas e texturas e luminárias.
Macete 01: Fotografe os materiais que você gostou e aproveite para anotar o preço.

 3. Faça um projeto de reforma


Vale a pena contratar uma arquiteta ou decoradora para fazer um projeto de reforma, com um layout e detalhamento dos ambientes.
Esse é um tipo de profissional que você encontra de todos os preços, de R$500, R$5000 e até R$50.000 ou mais. A dica é procurar um bom custo benefício.
Macete 02: Se você não está com muito dinheiro para investir em um projeto de decoração, opte por um profissional recém-formado ou que esteja próximo de concluir o curso. Você vai conseguir um bom preço pelos projetos.

 4. Planeje sua reforma

Quando eu falo em planejamento as pessoas já pensam logo em cronogramas complexos, cheio de números e de difícil entendimento. Calma! O planejamento da sua reforma não é desse tipo.
É mais simples do que você pensa.
Em uma folha de papel ou uma tabela de Excel você deve planejar os seguintes itens:
  1. Data de início da reforma
  2. Duração da reforma
  3. Data de término da reforma
  4. As etapas da reforma (ex: trocar o piso da sala, repintar o apartamento, trocar luminárias)
  5. Custo estimado de material
  6. Custo estimado de mão-de-obra
  7. Custo total da reforma
Com apenas esses 7 itens você já terá um controle maior sobre o andamento e custo da sua reforma.
Macete 03: Controle muito bem o custo da sua reforma para não estourar seu orçamento! Muita atenção nesse ponto, é muito comum as reformas ficaram 30%, 50% e até 100% mais caras porque não se planejou o custo.

 5. Faça o orçamento de todo o custo


Quando falo em “todo o custo” estou falando de Material e mão-de-obra.
Os custos de mão-de-obra dos profissionais da construção subiram muito nos últimos anos. Por isso,pesquise bem os preços de mão-de-obra e não se assuste com os valores.
Macete 03: Há vários profissionais de construção além do pedreiro. O pedreiro não é um faz tudo (muitos até tentam, mas não tem a mesma qualidade em todos os serviços de uma obra). Serviços específicos devem ser feito por profissionais específicos. Por exemplo: pintura (pintor), instalação de pisos laminados (instalador), parte elétrica (eletricista), parte hidráulica (encanador).

 6. Vai criar ou derrubar paredes?

Consulte um engenheiro de estruturas! Lembra que em 2013 um prédio desabou no centro do Rio de Janeiro porque em uma reforma retiraram uma viga? Pois então, para retirar uma parede, fazer furo em laje, criar um segundo andar na casa é preciso que seja feita a verificação da estrutura existente.
Se você for criar novas paredes com uma nova divisão dos cômodos atenção para o tipo de material que você vai utilizar. As paredes podem ser em alvenaria de tijolos, blocos de concreto, blocos de concreto celular (mais leves), drywall (gesso acartonado).
Macete 04: Paredes em Drywall, são leves, dispensam reboco e não geram sujeira. 
Você mora em prédio? Toda reforma deve ser comunicada ao síndico
Essa informação eu tenho certeza que está no Estatuto do seu condomínio. Também, a partir abril de 2014 entrou em vigor a norma NBR 16.280:2014 Reforma em Edificações, que prevê essa comunicação para prédios e, também, que toda reforma deve possuir um responsável técnico (engenheiro ou arquiteto). Fique atento!

 7. Um cômodo de cada vez


Essa é a minha dica preferida. Toda reforma já traz desconforto, dor-de-cabeça de obra e sujeira por toda a casa.
O melhor é reformar um cômodo de cada vez, para que os trabalhos fiquem concentrados em um ponto da casa, gerando menos transtorno.
Essa dinâmica deve ser avaliada caso a caso, por isso, vou dar dois exemplos:
  • Piso: Você vai trocar todo o piso da sua casa. Substitua o piso de um cômodo por vez e instale o novo. É muito comum o profissional quebrar todo o piso da casa e vir instalado o novo aos poucos (sem necessidade nenhuma).
  • Pintura: faça um cômodo por vez. Prepare a parede, masse, sele, aplique a tinta ou textura. Em seguida, faça o outro cômodo. Há pintores de lixam toda a casa primeiro, depois corrigem a massa toda, em seguida selam toda a casa, para depois pintar tudo. Viu a diferença?

O que esperar do mercado imobiliário no segundo semestre de 2017?


O que esperar do mercado imobiliário no segundo semestre de 2017?


sábado, 22 de julho de 2017

Reforma de apartamento: dicas e cuidados

Reforma de apartamento: dicas e cuidados



Cedo ou tarde todo mundo precisa dar aquela reformada no apartamento, nem que seja só para reforçar a pintura das paredes ou revestir o piso. E os motivos são os mais variados possíveis: o quadro elétrico do apartamento antigo já não atende às necessidades atuais; o vazamento do banheiro já está manchando as paredes; o dono não aguenta mais a mesma decoração de anos e por aí vai.
Além de dar um aspecto novo ao apartamento, uma reforma mais completa pode valorizar o imóvel em até 40%. Trata-se de uma boa estratégia para o proprietário que pensa em vender o apartamento a curto e médio prazo. Afinal de contas, as pessoas estão mais dispostas a pagar um valor mais alto por um imóvel reformado do que desembolsar uma quantia menor por um apartamento cheio de problemas a serem resolvidos.
Não é por menos que os brasileiros gastaram, entre janeiro e maio deste ano, 594 milhões de reais em reformas, segundo dados da Pesquisa Mensal do Comércio realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Mas nem tudo são flores. Dor de cabeça é um sintoma comum e frequente durante uma obra, principalmente para quem decidiu fazê-la às pressas. Portanto, mais do que bom gosto, reformar o apartamento demanda muito planejamento e paciência por parte do proprietário.
Para evitar (ou amenizar) essa dor de cabeça, confira algumas dicas e cuidados que você deve ter ao reformar seu apartamento:
Planejamento
Antes de dar início às obras, faça um planejamento. Nele, é preciso constar quais são seus objetivos com a reforma, como criar um escritório para fazer home office. Na sequência, coloque todos os gastos (mão e obra e compra de material) na ponta do lápis e faça um orçamento. Com regras bem definidas, dificilmente seu projeto vai estourar o limite de gastos pré-definido.
A escolha dos profissionais da obra
Boa parte da dor de cabeça durante a obra acontece por conta de problemas com empreiteiros e suas equipes. Como em qualquer setor, existem bons e maus profissionais. Para não ter problemas com atraso e resultados indesejados, procure entrevistar mais de dois empreiteiros antes de fechar negócio com qualquer um. Ouvir recomendações de amigos, familiares e vizinhos também é uma maneira mais segura de contratar bons profissionais.
Normas da ABNT
Numa tentativa de evitar acidentes edificais, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)estabeleceu uma série de normas. Todas as reformas em apartamentos que mexem com a estrutura do edifício demandam a presença de um laudo técnico elaborado por um profissional comprovadamente formado, seja um arquiteto ou um engenheiro.
Como a ABNT não tem poder para fiscalizar nem aplicar multas, essas normas servem apenas como parâmetro para profissionais e síndicos. Quem descumpri-las só fica sujeito a punições caso os órgãos municipais as incluam nos regramentos de reforma.
Vale reforçar, mais uma vez, que pequenos reparos, como pintar paredes, colocar gesso no teto e trocar fechaduras e portas, não precisam atender às exigências da ABNT.
Pintura nas paredes
Se a sua intenção é tirar as manchas das paredes que se acumularam ao longo do tempo, aposte em cores claras e neutras. Elas dão um aspecto de limpeza e uma sensação de ampliação do cômodo. Além disso, quando for vender o imóvel, essas cores são mais seguras para agradar possíveis compradores.
Impermeabilização
Não se esqueça de impermeabilizar, durante a reforma, as partes da casa que entram em contato com água para evitar infiltrações. Deixar esse processo para depois encarece as obras, além de serem difíceis de fazer. Em outras palavras, é mais dor de cabeça!
Quadro elétrico
Quem mora em apartamentos mais antigos deve se preocupar com o quadro elétrico. Isso porque esse tipo de imóvel não costuma atender à atual demanda de eletrônicos. Portanto, procure ampliar os pontos de elétrica, rede e cabeamento para evitar sobrecargas lá na frente.
Financiamento
Você ainda não começou a reforma no imóvel por conta da falta de dinheiro? Uma alternativa para começá-la o quanto antes está em recorrer às linhas de crédito oferecidas por bancos públicos e privados. Elas são menos onerosas do que do que entrar no cheque especial e estourar o cartão de crédito.
De modo geral, essa modalidade de financiamento está disponível para reforma e ampliação de residências, e o valor máximo pode chegar a 100% do custo da obra. Antes de fechar o empréstimo, faça as contas e veja qual instituição financeira apresenta as melhores condições para a sua situação.
Agora, mãos à obra!